RACING GUIMARÃES

Tudo sobre as provas Oficiais de Automobilismo em Guimarães e muito mais!
 
InícioCalendárioGaleriaFAQBuscarGruposMembrosRegistrar-seConectar-se

Compartilhe | 
 

 HISTÓRIA DA NASCAR PARTE 4

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
AutorMensagem
Admin
Admin
avatar


MensagemAssunto: HISTÓRIA DA NASCAR PARTE 4   Sab Nov 28 2015, 16:17

HISTÓRIA DA NASCAR PARTE 4



CARRO DO AMANHÃ (2007-2012)
Em 2007, NASCAR introduziu uma especificação do veículo radicalmente nova conhecido como o "Car of Tomorrow" (COT). Sua estreia foi no Bristol Motor Speedway, em março. Inicialmente, o CoT só foi utilizado em 16 eventos selecionados. Enquanto NASCAR originalmente planejado para esperar até o início da temporada de 2009 para usar o CoT em todas as corridas, eles mudaram essa data para o início da temporada de 2008. Muitos motoristas ainda tinha reclamações sobre o berço, mas esta nova linha do tempo foi destinado a ajudar as equipes a economizar dinheiro, dando-lhes apenas uma especificação carro para trabalhar.
 
O design deste carro tem-se centrado no controlo de custos, paridade e segurança do condutor. [29] A largura do carro foi aumentada em 4 polegadas (10 centímetros), os para-choques foram re-projetado para tornar colisão e executar táticas menos eficaz, e a altura do carro aumentou por 2 polegadas (5 centímetros) para acomodar os motoristas mais altos e aumentar o arrasto aerodinâmico. O assento do motorista foi movido mais perto do centro do carro. As mudanças mais visíveis para os fãs foi a adição de uma asa traseira substituindo o familiar saqueador. As asas poderia ser ajustado entre 0-16 graus e foram usados ​​com várias configurações de placas finais.
 
Novas regras para o carro eliminar os corpos assimétricas em carros que tinham funcionado galopante desde o lançamento 1998 Taurus. No entanto, quase todas as vantagens de usar um carro em detrimento de outro foram anulados. NASCAR exige que todos os berços para estar em conformidade com corpo comuns modelos, independentemente de marca e modelo.
 
A asa traseira permaneceu uma característica controversa por vários anos. Sua aparência foi muitas vezes criticado e foi acusada de forçar os carros a se espalhar pelo ar em alta velocidade gira como a experimentada por Carl Edwards durante a 2009 de 499 Aaron no Talladega Superspeedway. Em 2010 NASCAR decidiu substituir a asa com o spoiler originais. O interruptor começou com o alívio da dor rápido 500 do presente 2010 em Martinsville Speedway.
 
Para 2011, NASCAR alterou o nariz do carro, uma vez mais, com o divisor de ser reduzida em tamanho, e as chaves ser substituída por uma valência frente sólido.
 
Uma mudança importante no motor ocorreu em 2012, com a introdução de NASCAR de injeção de combustível tecnologia. Inicialmente, NASCAR indicou que a transição para alimentar a meio caminho de injeção através da temporada de 2011, mas decidiu antes que temporada de adiar a mudança até 2012.
 
GERAÇÃO 6 CARRO (2013-PRESENTE)
Em 2013, os fabricantes tiveram aumento margem de manobra para a marca de seus carros Sprint Cup, criando a Geração 6 carro de corrida. Essas mudanças fizeram os carros se parecer com os seus homólogos de rua mais de perto, como os carros atuais na Série Xfinity ter feito desde 2011.
 
SETUP
Suspensão, freios e componentes aerodinâmicos dos veículos também são selecionados para adequar os carros para diferentes pistas. Um carro que subviragem é dito ser "apertado", ou "empurrando", fazendo com que o carro para manter indo para cima da pista com a roda girou todo o caminho à esquerda, enquanto sobreviragem é dito ser "frouxo", ou "solto ", fazendo com que a extremidade traseira do carro para deslizar em torno do qual pode resultar no carro que gira para fora, se o condutor não ser cuidadosa. O ajuste de frente e aerodinâmico traseiro downforce, taxas de primavera, bar pista geometria, proporcionando freio, a cunha (também conhecido como cross-peso), mudando o ângulo de curvatura, e alterando a pressão de ar dos pneus pode alterar a distribuição de forças entre os pneus nas curvas para corrigir problemas de manuseamento. Recentemente, vinculação de bobina configurações tornaram-se populares entre as equipas.
 
Essas características também são afetados por balancear pneus (pneumáticos da circunferência diferente em diferentes posições sobre o carro, a traseira direita tendo a maior influência nas curvas à esquerda), bem como os compostos de borracha utilizados na construção do pneu. Essas configurações são determinadas pela NASCAR e Goodyear engenheiros e não pode ser modificada por equipas individuais.
 
Mudança das condições climáticas também podem afetar a manipulação de um carro. Numa corrida longa, é por vezes vantajoso preparar um carro para lidar bem no final de um evento enquanto rendendo velocidade no início. Sem controlos eletrônicos, o carburador deve ser ajustado manualmente para a pressão barométrica e temperatura do ar esperada. Chuva forçará uma corrida a ser interrompida imediatamente, como não há previsão atual para pneus de chuva. Enquanto pneus de chuva foram desenvolvidos para a série no final de 1990, NASCAR abandonou como não havia número suficiente de cursos de estrada no calendário para justificar o custo de fazer mais pneus para substituí-los à medida que envelheciam. Carros Sprint Cup usaram estes pneus nos treinos, mas apenas a Nationwide Series tem usado em condições de corrida. Houve, no entanto, um caso de uma corrida Sprint Cup a ser realizada na chuva. Em 1956, uma corrida em Road America realizou-se em chuva e venceu por Tim Flock.
 
ESPECIFICAÇÕES
  Chassis: quadro de tubo de aço com gaiola de segurança, devem cumprir as normas da NASCAR
  Cilindrada: 5,86 L (5860 cc; 358 cu in) Pushrod V8
  Caixa de velocidade: 4 velocidades Manual com reverso
  Embraiagem: 3 discos de embriaguem de fibra de carbono
  Peso mínimo: 3.300 lb (1.497kg) (sem condutor e combustível); 3.475 lb (1.576kg) (com o piloto e combustível)
  Potência de saída: 725 hp (541 kW) sem restrições; 445 hp (332 kW) com placa restritor (2015) [36]
  Torque: 720 N · M (530 ft · lb)
  Combustível: 98 octanas E15 fornecida por Sunoco
  Capacidade de combustível: 18 galões EUA (68 L) a maioria das faixas
  Entrega de combustível: Porto de injeção de combustível
  Tipo de combustível Injeção: McLaren
  Provedor de ECU: MES Freescale TAG-400N
  Taxa de compressão: 12: 1
  Aspiração: naturalmente aspirado
  Suspensão dianteira: comprimento desigual braços duplos
  Suspensão traseira: braços de suspensão com barra Panhard
  Freios: disco do ferro fundido com multi-pistão da pinça
  Distância entre eixos: 110 in (2.794 mm)
  Direção: Poder, bola de recirculação
  Pneus: pneus Slick fornecidos por Goodyear
  Comprimento: 198,25 in (5.036 mm)
  Largura: 77 in (1.956 mm)
  Altura: 54,25 in (1.378 mm)
  Altura livre do solo: 3.5 in (89 mm)
 
EQUIPAMENTOS DE SEGURANÇA
·  Cinto de segurança de 6 pontos
·  Sistema de extintores na cabina do piloto, no porta-bagagens e no compartimento do motor
·  Espelho retrovisor
·  Dispositivo HANS
·  Capacete
·  Fato NOMEX resistente ao fogo
·  Luvas resistentes ao fogo
·  Sapatos resistentes ao fogo
·  Janela de rede
·  Espuma de absorção de energia de impacto lateral nos lados.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
 
HISTÓRIA DA NASCAR PARTE 4
Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 1 de 1
 Tópicos similares
-
» A História da Motocicleta em livro
» História do Terral
» REGULADORES DE VOLTAGEM E PARTE ELÉTRICA
» MORAL DA HISTÓRIA
» Limpeza da parte inferior do carro

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
RACING GUIMARÃES :: COMPETIÇÕES INTERNACIONAIS :: NASCAR :: HISTORIA-
Ir para: